terça-feira, 10 de abril de 2012

Estudo das Emoções: Preocupação I

Você sabe quando a preocupação é benefica para sua saúde? Ou melhor , sabe como  determinar o limite entre a preocupação benéfica e a obsessão ?
Sabemos que a preocupação esta presente na vida de muitas pessoas. Mas a grande maioria não concebe a ideia de que ela possa ser responsavel por  desequilibrios emocionais e dificuldade de aprendizado. Essa emoção é tão poderosa que  tanto pode unir  pessoas como ser fonte de desunião. 
Por isso é necessario conhecer esse  estado anímico tão  frequente em nossa vida, a preocupação que pode ter uma  conotação positiva para alguns, mas pode atingir um estado que leva ao lado negativo para outros. Preocupar-se demais gera doença. Mas uma pessoa despreocupada, enfim, é sinal de saúde ou de não estar nem aí com a vida?

O que é preocupação?
No dicionário encontramos:
1.Ato ou efeito de preocupar ou preocupar-se.
2.Inquietude, cuidado.
3.Idéia antecipada; ideia fixa.
4.Ocupar fortemente o espírito, prender a atenção de...

Então podemos dizer, em primeiro lugar, que preocupar-se é o ato de  ocupar-se antecipadamente de uma ideia. Trata-se de uma inquietude que se estabelece antes que aconteça alguma coisa sobre a qual  devemos pensar e refletir com o objetivo de podermos nos organizar de forma que tal coisa possa se manifestar de acordo com a nossa vontade ou necessidade. Preocupar-se é simular o futuro no presente mental, com objetivo de idealizar um acontecimento que possa orientar o seu futuro próximo. Isto se chama cuidado e se manifesta quando existe interesse real pelas coisas, o que vem a ser muito benéfico para si e para as pessoas em quem você pensa, ou melhor, com quem se preocupa.  Pensar antecipadamente com relação aos outros também é  considerado como um ato de compaixão. A sua energia mental sendo utilizada para o bem do outro, deixa de ser uma atividade mental centrada somente  em você mesmo. Isso leva o  nobre nome de  empatia e solidariedade. Preocupar-se em como realizar as suas próprias necessidades também é fundamental para a manutenção de sua própria saúde, ajuda a desenvolver autoestima e desperta o processo de autoconhecimento. Em suma, a preocupação tem aspectos positivos e construtivos.


Tipos de preocupação
Realmente a preocupação é um estado anímico muito frequente e que pode ser classificado de diversas formas, mas os principais tipos que são os mais comuns são esses:            
Preocupação de fogo baixo – são todos os tipos de pensamentos que tem objetivo de centrar na organização das tarefas do dia a dia – enumerar tarefas, otimizando horários, lugares, pessoas, distribuição, delegar papeis, ordens etc. Todas essas atividades são essenciais e tem um valor pratico fundamental para valorizar o sentido de que o tempo pode ser otimizado. Esse com certeza a tipo de preocupação mais frequente, mas que caracteriza a mente de uma pessoa equilibrada e centrada, com seu foco no momento presente, mesmo que esteja planejando seu futuro.                                                                                                                                
Preocupação de fogo alto – esse tipo de preocupação está muito ligado ao ato de pensar em uma situação especifica, por exemplo , um estado de saúde de uma pessoa querida, ou preocupação mais acurada do professor com relação a um aluno que esteja apresentando problemas. Ou uma tarefa muito importante num trabalho fundamental para o sucesso profissional. Essa preocupação acontece quando estamos aflitos ou inquietos, devido a  uma situação que apresente um caráter emergencial ou de relevância elevada.



Quando  o ato de preocupar-se deixa de ser benéfico.
Na terceira definição do dicionário, encontramos o termo ideia fixa! Há quem diga que a  preocupação é chamada de “emoção das mães”.  A mãe nutre, ampara, protege, dá segurança ao filho. Cuida do filho a cada momento e sempre está preocupada antecipando as necessidades daquele pequeno ser, que sem amparo, não seria capaz de sobreviver. Sua preocupação é legitima e necessária, mas do equilíbrio desta emoção dependerá um relacionamento saudável entre mãe e filho e o desenvolvimento sadio daquela criança, uma vez que nenhuma criança permanece bebê para sempre. Muitas vezes torna-se difícil para a mãe perceber o limite entre a preocupação necessária e aquela ideia fixa  que se instala, mesmo depois do bebê se tornar adulto.  Tudo que existe no universo é produto de uma ideia, de um pensamento. Quando colocamos nossa energia em uma ideia, ela pode tornar-se realidade. A mãe preocupada a cada momento com o filho que sai de casa, teme por sua segurança. Preocupa-se ruminando ideias ilusorias  trágicas sobre a sorte do filho distante. Sua mente flutua no meio de ideias terríveis de desgraças eminentes, sua mente fica ocupada por antecipação com aquilo que ainda não aconteceu e que talvez nunca venha a acontecer, sofrendo a cada momento pela ruminação da ideia fixa, que de tão recorrente, pode acabar se materializando... ou não!  Melhor seria, pensar com otimismo, pensar o lado bom! A preocupação se torna um empecilho quando  é fundamentada em cima de ilusão. Isto gera um distanciamento entre a realidade fisica e a realidade mental da pessoa preocupada. 

                                                                           


Obsessão: a preocupação exagerada.
Quando  uma ideia começa a pré-ocupar a mente desnecessária e exageradamente, a pessoa se  enreda em pensamentos obsessivos, pensa  mas não age, pois não encontra solução. Sua mente se ocupa com aquilo que não é realidade presente, e isso  se torna um empecilho. O sono desaparece, o físico se ressente, a mente parece não entender, não conseguir aprender sua lição a partir das situações que a vida lhe impõe. Em vez de uma solução para um problema,  cria-se um novelo de problemas que se enrolam: a falta de solução, o martírio prolongado por essa  ideia fixa sem solução, a impossibilidade de dormir ou de se concentrar em qualquer outro assunto que não seja o tal “problema” alvo.

MTC, o elemento TERRA  e  a valorização do presente.
A Medicina Tradicional Chinesa, em sua essencia  observa a integração e equilíbrio do homem com a natureza. Quando os orientais citam a   “preocupação”, estão  falando do elemento Terra.         Para explicar o elemento terra de uma forma bem próxima a nos ocidentais, basta lembrar que a terra é onde tudo acontece. Nós vivemos sobre a terra, dela tiramos os alimentos, assim como todos os outros seres vivos, animais e vegetais. Precisamos de uma terra bem equilibrada com nutrientes adequados para que nosso corpo fique equilibrado e bem nutrido. No corpo humano, o elemento terra é representado pelos órgãos baço-pancreas e estomago , que são os responsáveis pelo metabolismo de tudo que ingerimos, desde alimentos até ideias. Quando estudamos, lemos,  enfim, quando aprendemos um fato novo, estamos nos alimentando de informações. O nosso dia a dia é repleto de alimentos e de informações que devem ser digeridos e distribuídos através da função do nosso elemento terra. Quando estamos bem alimentados nos sentimos bem, equilibrados, nossa digestão é boa. Também conseguimos nos concentrar  no presente ,  aprender com facilidade, e nossa mente é tranquila e equilibrada. Assimilamos corretamente as informações e tiramos nossas conclusões. Somos capazes de nos ocupar com nosso momento presente, uma vez que estamos nos sentindo bem aqui agora. É uma noção de estar centrado, que é justamente a função do elemento terra: ser o centro de tudo que existe no nosso planeta.  Mas quando não nos alimentamos adequadamente, nos desequilibramos física e emocionalmente. Fica difícil assimilar corretamente as informações. O fluxo das ideias começa a ser truncado e distante da realidade presente e  dai vem as preocupações. O excessivo uso das faculdades mentais gera um cansaço intelectual, falta  centro, ficamos instáveis, perdemos o foco adequado do momento presente, queremos voltar ao passado que era seguro, ou nos antecipamos para o futuro, preocupados, com medo que ele não nos satisfaça.  Se essa preocupação esta voltada para o dinheiro ou para a comida, temos a necessidade de juntar muito ou de comer muito. Ficamos obesos, nossa saúde fica desequilibrada e nossa mente congestionada – de preocupações cada vez mais obsessivas.
A relação entre o corpo e a mente esta ligada pelo  binomio formado pela capacidade de digestão dos alimentos e  a capacidade de assimilaçao das informaçoes que recebemos do ambiente. A saúde fisica e mental dependem da mesma energia: a energia do elemento Terra - do Baço e do Estomago. Na prática, quando apresentamos dificuldade para digerir os alimentos teremos com certeza dificuldade em aprender.

TERRA

Na próxima postagem passaremos a discutir os principais meios para que possamos ter uma mente sadia mas sem preocupações ilusórias.


Até a próxima!




Postar um comentário