terça-feira, 24 de junho de 2014

FLORAIS DE BACH E A MENSAGEM SIMBÓLICA DO CORPO

As Essências Florais De Bach atuam diretamente nos campos sutis da mente oferecendo uma higiene emocional e mental. Dr. Bach chama a atenção da necessidade de estarmos conectados com a natureza de nossos pensamentos e emoções.
Tendemos a acumular emoções negativas e a vivenciar qualidades de pensamentos e emoções que intoxicam a nossa mente e gradativamente o nosso corpo físico promovendo desequilíbrios como dores e desconfortos, até que as doenças se instalam no físico. 
Em seus escritos, Dr. Bach menciona que devemos estudar a fundo o mecanismo emocional que este relacionado com a doença física. Toda  doença física deve ser observada através da Luz da consciência no sentido de identificar os aspectos emocionais relacionados. Quando  conseguimos entender e cultivar a os pensamentos curadores para a doença física, recupera-se a saúde de maneira integral.
Esse posting tem a finalidade de despertar uma maior capacidade de percebemos o valor que o entendimento  sobre a doença tem como meio de cura.



 A doença física é apenas a ponta do iceberg de um processo de adoecimento que tem a suas origens na nossa mente e na maneira em lidar com o nosso mundo interior.
Um exemplo claro disso é a dor de cabeça relacionada ao stress devido às avaliações e provas pelas quais todos os estudantes precisam passar. Alguns estudantes tem dor de cabeça devido à necessidade que tem de saber toda a matéria na ponta da língua e de seguir a risca as orientações do professor. Esse tipo precisará do floral Rock Water para tornar-se mais flexível. Outro estudante, preocupado em estudar devido ao medo de errar durante a prova precisará do Mimulus. Ou ainda, aquele que fica atordoado de tanto estudar e nem consegue dormir, devido ao excesso de pensamentos. Para este, o floral é White Chestnut. A doença física pode ser a mesma, mas o comportamento emocional pode advir de diversas naturezas e causas. 
No sentido de ajudar a identificar os estados emocionais relacionados com a doença física, as tradições e outros estudiosos do campo da mitologia e da psicossomática procuram relacionar de maneira geral os possíveis estados emocionais que estejam relacionados com determinadas doenças físicas. Logico que devemos sempre nos preocupar em ouvir o paciente com suas queixas e ajuda-lo a identificar as causas emocionais reais que geraram o desequilíbrio na saúde integralmente.
As tradições estão fundamentadas na sabedoria oriental principalmente da cultura chinesa e indiana que procuram relacionar partes do corpo com potenciais de consciência que todo ser humano tem, mas deve desenvolver. Na tradição ocidental, os judeus através da cabala, oferecem um sistema de interpretação das partes do corpo ligado com potenciais vindos da nossa mente mais elevada de perfeição, que Dr. Bach chama de Eu Superior. 



Um exemplo desse tipo de conhecimento esta na observação dos mestres orientais chineses que perceberam que as pessoas que apresentam problemas hepáticos recorrentes podem estar vivenciando sentimentos de raiva, frustração e ressentimento. Outro exemplo: os mestres indianos explicam que  problemas de garganta ou na tireoide são relacionados com a comunicação e dificuldade em expressar os sentimentos para si e para o mundo.
Outra fonte de reconhecimento da representação simbólica do corpo é a própria sabedoria popular, através dos ditos, frases e conselhos dos antigos. Quem que nunca sentiu o “peso da responsabilidade sobre os ombros”??? Quem ja não disse que para começar um projeto, basta “dar um o primeiro passo”!!! A famosa dor de estomago porque “engoliu um sapo.” Quem nunca “se mordeu de raiva”? 
Apoiando-nos nessa sabedoria popular e tradicional somos capazes de escolher melhor o floral indicado.
Por isso a nossa ideia é de promover uma serie de postings sobre diferentes  partes do corpo com os aspectos emocionais relacionados e os possíveis  florais que podem ajudar no processo de transformação.
 O autoconhecimento é a chave para a saúde integral ...
Começaremos pelos pés.











Postar um comentário