segunda-feira, 25 de agosto de 2014

FLORAIS DE BACH E AS MENSAGENS SIMBÓLICAS DO CORPO - O TRONCO - PARTE I - O VENTRE

Leonardo Da Vinci nos mostra com exatidão, o centro do círculo onde está contido seu Homem Vitruviano: o UMBIGO. O umbigo é uma marca, uma cicatriz que marca nosso primeiro ferimento ao entrarmos em contato com o mundo, e que  permanece ao longo da nossa vida material,  relembrando o vínculo com o nascimento e com a ancestralidade de cada um. Nossa ancestralidade permanece carregada de informações que vão nos acompanhar, servindo de base primordal para nosso centramento no Universo em que estamos contidos. Sobre essa base, está o conjunto de crenças que serão desenvolvidas ao longo da vida, formando nosso ser indivdualizado. A palavra umbigo "umbilicus" que era o diminutivo de "umbo" no sentido de saliência arredondada em uma superfície (Omphalos ou, em latim, umbigo) - significa "centro" ou "ponto médio". Os principais  locais sagrados de todas as culturas  são  geralmente  chamados de   "umbigo do  
mundo", considerados centros de referência de suas tradições. 

O eixo, ponto imutável das rodas das carroças, tambem é chamado de umbigo,  assim como a Estrela Polar é considerada  o eixo ou o umbigo do céu, por ser aquela ao redor da qual todas as constelações se organizam. Esta foto (abaixo) de movimento continuo mostra o movimento do céu e torno da Estrela do Norte - a Ursa Maior.




Para os orientais  o  abdome  sempre foi venerado como o local do corpo onde se manifestam as energias do céu no ser humano. O umbigo representa o eixo  fixo do céu (Estrela Polar)  ao redor do qual todas as constelações que emitem energia para o homem são orientadas.
Por determinar um centro, o Umbigo é responsável por nossa orientação no mundo. Ele ocupa exatamente o centro do nosso ventre, onde estão guardados os órgãos responsaveis pelo funcionamento de nosso organismo. O Hara, como é chamado o abdome pelos Japoneses, é considerado o centro de consciência  que tem o potencial de guardar informações de dois tipos: umas ancestrais, herdadas, com as quais cada um nasce,
outras constituídas pelas  informações que vamos coletando, por meio de nossas experiências de vida e que vão sendo armazenadas junto com as ancestrais, formando um conjunto daquilo que vai constituir a base para nossa conduta individual pela vida. O Hara é o espelho da nossa Alma no corpo.


As diversas formas de medicina, desde a oriental como a alopática sempre contaram com a prática de palpação do abdome como fonte de diagnóstico  onde é possível avaliar, não só o estado e o funcionamento dos órgãos, como a condição de todas as energias do corpo, responsáveis inclusive, pela forma como manifestamos as emoções diversas no nosso cotidiano.




O ESTÔMAGO
"Estar centrado" significa estar focado,  no centro do corpo, concentrado no que realmente importa, agindo adequadamente a qualquer situação. Quando recebemos repentinamente uma má notíca, dizemos que "levamos um soco no estômago", referindo-nos à dificuldade de aceitação da situação, ou de um problema que não estamos conseguindo "digerir" e que nos está causando desconforto. A recusa dessa aceitação nos leva a ter problemas físicos, desenvolvendo refluxo, chegando até a vomitar.  Quando sentimos medo ou ansiedade, parece que  "temos borboletas no esômago", dizem os povos de língua inglesa. A essência White Chestnut é importante quando as preocupações tomam conta da mente, ruminando nossos pensamentos e causando problemas digestivos. Outra essência adequada é Sweet Chestnut, que nos ajuda a aceitar aquilo que não pode ser modificado e seguir em frente, focando a nova realidade que se apresenta. Já, a essência Chestnut Bud nos ajuda a aprender com as situações da vida, mantendo o foco nas nossas experiências, para  não cair no erro novamente.


O FÍGADO
As frustrações, aqueles sentimentos "amargos" que desenvolvemos quando somos impedidos de nos manifestarmos conforme nossa própria vontade, mexem com nosso humor e se expande para o ambiente, afetando o próximo, e se externalizam gerando acessos de raiva, ao mesmo tempo que se internalizam, atacando  o fígado, alterando o fluxo natural da energia. As consequências  serão  diversas: dores de cabeça, cólicas,  cálculos biliares, entre outras manifestações nocivas. Holly, diz Dr. Bach, "é para aqueles que, algumas vezes, são atacados por pensamentos tais como ciúme, inveja, vingança e suspeita..." Essa essência floral trabalha no sentido de promover a generosidade de espírito e a abertura para os outros, à medida que buscamos o entendimento justo daquilo que gerou os sentimentos negativos em nós.




                                                                                   
OS INTESTINOS
Ocupando grande parte do ventre, com forma semelhante à do cérebro, nossos intestinos formam um labirinto, a ser percorrido por nossa capacidade de fazer escolhas. Resumidamente, os intestinos conduzem tudo o que não nos serve mais e que deve abandonar nosso corpo, garantindo espaço para nossa constante renovação. Tudo isso só é possivel a partir das escolhas viscerais que devemos fazer, aquelas que nos garantem a satisfação de nossas vontades e de nossas reais necessidades, sem a influência da consciência conceitual vinda do ambiente externo, o que nos torna responsáveis únicos por nossa própria felicidade. Willow é um floral que promove essa capacidade de olhar para dentro e perceber que tudo o que nos acontece depende de nossas escolhas. Um outro tipo, são aquelas pessoas solicitas, que fazem tudo pelos outros e acabam deixando de cuidar de si mesmas, com medo de dizer não. Esses sentirão os beneficios da essência Centaury à medida que conseguem dizer não para os que estão ao seu lado e começam a dizer sim para si mesmas, realizando suas aspirações, fazendo o que gostam e que lhes satisfaz.. 



FOCO NO HARA
O hara contem confinado todo nosso potencial energético, portanto, o contato com o Hara constitui para os Japoneses, o retorno à casa, à base de conforto e aconchego que podem nos direcionar nos momentos em que fica dificil lidar com as emoções. Aprofundar a respiração é uma forma de entrar em contato com o hara, relembrando o estágio inicial da respiração uterina. Dessa forma, nossa biologia se torna receptiva à instrospecção. A respiração  abdominal oxigena o interior,  tem a finalidade de promover a escuta interior, o contato com seu íntimo, o conhecimento de si. Essa é a forma que Dr. Edward Bach coloca como sendo a forma saudável de desenvolvimento da individualidade, pois leva o Indivíduo à conexão com seu Eu Superior, sem se deixar invadir pelas influências perturbadoras que possam vir do ambiente, à medida que nos deixamos influenciar por outro ser, ignorando nossa voz interior. Quando temos dúvidas sobre que direção tomar na vida, Wild Oat pode ajudar.  Wild Oat é uma graminha pequena, encontrada entre outras plantas maiores. Por isso, sua luta é conseguir receber a luz do sol e ela fica balançando de um lado para outro, em busca dessa luz necessária para seu desenvolvimento. Essa signatura representa nossos estados de desorientação, nos quais tentamos tantos caminhos diversos, sem conseguir achar a satizfação que só o caminho verdadeiro pode nos trazer. Quem sou eu? o que quero da vida? Qual é a minha missão neste mundo? Todas essas são questões complexas que surgem devido à falta de autoconhecimento e de introspecção, devido à incapacidade de concentração no próprio centro individual, que é onde todas as nossas verdades estão guardadas.   Preciso saber
quem sou para poder saber onde devo chegar. Essa é a única forma de encontrar a Missão de Vida. Mas as hastes da graminha Wild Oat  são flexíveis; sendo assim, ao movimentar-se de um lado para o outro ela acaba sempre por conseguir  recuperar  o contato da luz Solar, conduzindo ao centro de sua planta, o calor e a luz necessárias para seu cresciemnto satisfatório. Wild Oat ajuda-nos a desenvolver o nosso senso de percepção do poder de escolha apurado no sentido de promover um direcionamento de vida. Quando temos introspecção percebemos a Luz vinda do nosso interior que nos chega através da Alma vinda do  Eu Superior.

Dizem os Japonese que uma pessoa "tem Hara" quando é percebida como um indivíduo maduro e confiável. No ritual do Chá Japonês, as mulheres servem o chá absolutamente centradas no Hara. Dessa forma estarão comunicando ao outro a energia que vem do seu ventre, que aquece e nutre com aconchego. A força do centro é expansiva, origina-se em um ponto e igualmente se distribui para todos os lados, portanto não agride e tampouco destrói.

Nossa cicatriz umbilical é o marco de consciência que nos direciona e que nos possibilita receber com equilibrio aqui na terra, as energias vindas do Céu.




Postar um comentário