terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Simbiose II – Formigas e o Rock Rose (por Lucia Maria Ferreira)

Na postagem de 02 de setembro de 2014 falamos sobre a simbiose das abelhas com as flores. Continuamos o assunto, ampliando a reflexão com mais alguns elementos. 


Sabemos que nada existe ao acaso na natureza, pois ela é governada por uma verdadeira inteligência que coordena tudo. Das inter-relações entre os seres provemos nossa sobrevivência, pois a natureza é simbiótica. Precisamos desenvolver novo olhar para a compreensão das forças criativas e formativas da natureza para captar tudo o que nos envolve, aprender seu papel no planeta e a respeitá-las. Podemos observar que a colmeia, por intermédio do mel, devolve ao ser humano aquilo que necessita em seu corpo, como trabalho de sua alma. No livro “Abelhas- apicultura a partir do respeito pela vida”, Rudolf Steiner, nos pontua o papel das abelhas, vespas e formigas no equilíbrio do ser humano. Diz ele: “Quando se examina uma formiga isoladamente não observamos que ela seja sábia, entretanto, é o formigueiro como um todo que tem inteligência.
Se esmagarmos algumas formigas, elas liberarão uma substância líquida que contém o ácido fórmico e um pouco de álcool, necessários à vida do homem... Se uma formiga nos morde ela libera esse ácido fórmico que fluirá dentro da ferida. Entretanto esse ácido está na diluição correta - são os venenos, que também são remédios, quando dosados corretamente. Esses venenos estão nas abelhas, nas vespas e nas formigas..." 


"Nas plantas há o ácido oxálico e estes insetos produzem o ácido fórmico. Este não existiria se antes não existisse o ácido oxálico. A grande respiração do ar que está ao redor da Terra, é continuamente impregnada com ácido fórmico elaborado a partir do ácido oxálico das plantas... Os insetos nos ensinam exatamente o que há de mais supremo na natureza e cada um com suas especificidades e colaboração para o equilíbrio do universo”.

Há muitos ensinamentos nesses escritos e até podemos fazer uma breve relação entre uma abelha e uma formiga. A abelha é calorosa, vive na parte quente da planta (nas flores). A partir da colmeia, as abelhas saem em todas as direções, como o ar e o calor, cumprindo sua missão de polinizar as flores, trazer o néctar e fazer o mel. Uma formiga não é calorosa, é fria, dura e está sempre na parte dura da planta, nas raízes, nas pontas das folhas, onde as coisas estão um pouco mortas. Ela sempre avança em linha reta - se há algo em cima, ela passa por cima, pois a rua vai permanecer em linha reta. A formiga pega a parte dura, a folha, leva-a para o calor, cuidando para que a floresta permaneça viva. Tudo aquilo que tende a sair do âmbito da vida, a formiga ajuda a trazer para a vida novamente. Portanto, as formigas são as guardiãs das florestas. Jardineiras da natureza cavam e oxigenam o solo, além de espalhar sementes na floresta. Cientistas dizem que as formigas serão as formadoras das florestas, suas grandes aliadas. 

Refletindo sobre essa simbiose, nos reportamos ao trabalho desses insetos nas flores, a partir das quais são elaboradas as essências florais. Neste caso específico vamos falar do ROCK ROSE, que é chamada de “a flor do sol”. Ela cresce próximo ao solo, em terreno calcário, que dá uma linda flor amarela, de cinco pétalas em forma de coração, do tamanho de uma moedinha, que só se abre por um dia, na presença do sol e que gentilmente recebe a visita das abelhas. Suas folha e sépalas ao redor do botão são cobertas de pelos, dando-nos conta da grande sensibilidade aos estímulos do ambiente, como as pessoas em estado negativo de Rock Rose. Depois que as pétalas caem, as sépalas ao redor do botão rapidamente se fecham para proteger a capsula de sementes que cresce no seu interior. Depois de um tempo, as sementes caem da capsula e podem ser levadas pelo vento ou pela água colina abaixo, para germinar na primavera. Como relata Julian Barnard, em seu livro “Remédios Florais de Bach- Forma e Função”, extraordinariamente, as sementes de Rock Rose muitas vezes são levadas por formigas até seus ninhos, onde são estocadas provavelmente como comida. Algumas das sementes caem no caminho do formigueiro e germinam na terra, espalhadas pelas formigas enquanto constroem o formigueiro. Esse trabalho de formiguinhas (literalmente) é muito importante para a expansão da área plantada do Rock Rose, cuja essência floral traz coragem, firmeza e grande desejo de vencer às pessoas que vivem debaixo de ameaças de críticas mentais e até físicas, libertando-as dos momentos de crise quando a personalidade se encontra num estado agudo de emergência, em pânico.

Rock Rose
A essência floral Rock Rose é indicada para pessoas particularmente sensíveis à interação com o mundo. Dr. Bach chamou-a de “o floral do resgate- o floral de emergência para casos onde parece não haver esperança. Em acidentes ou doenças repentinas; ou quando o paciente está muito assustado e aterrorizado; ou em situação tão séria que causa grande medo aos que estão por perto”. Rock Rose liberta a personalidade do medo, transformando-o em coragem, uma coragem até heroica, que leva a pessoa a esquecer-se de si por amor aos outros, em casos extremos. Ele mobiliza forças tremendas, que permitem ao s homem crescer além de si mesmo, até a solução do problema. E por falar em formigas, recordamos da fábula de Esopo: “A cigarra e a formiga”: enquanto a cigarra, sem preocupação alguma canta as delícias da vida, a formiga trabalha sem parar e está sempre alerta, pronta para qualquer eventualidade, da mesma forma que o estado de uma pessoa identificada com o floral Rock Rose.





Postar um comentário