terça-feira, 30 de junho de 2015

Elemento Agua, Dor nos joelhos e o Medo


Existe alguma relação entre as dores dos joelhos e o medo? 



A resposta é sim.
Se desenvolvermos um raciocínio baseado na lógica que explica a função dos joelhos no ato de caminhar, parece realmente óbvio que essa relação seja verdadeira. Mas isso não é tudo.

Nos atendimentos terapêuticos  de acupuntura  e florais temos recebido com frequência, pessoas que padecem de dores nos joelhos e estão passando por experiências relacionadas a situações emocionais de medo. Tanto a prática clínica como a observação atenta ao fato nos confirma que isso não é mera coincidência. Um tratamento de acupuntura que promova  a harmonização do  canal de energia dos Rins pode resultar na diminuição das dores nos joelhos e no controle dos estado de ansiedade provocados pelo medo.

Como citamos no post  Autocuidado: M.T.C., Florais de Bach e Conhecimento essas relações  foram observadas pelos mestres orientais, os precursores dessa forma de pensamento que relaciona  sintomas físicos a emoções.
Para entender como essas relações ocorrem, é preciso saber da existência   dos  canais de energia que percorrem o corpo interligando  os órgãos internos  com as extremidades do corpo, sendo que a cada canal de energia corresponde uma função orgânica (correspondente ao órgão), um órgão dos sentidos e uma emoção, entre outras coisas. Nesse percurso, cada canal  vai alimentando de energia  todas as estruturas corpóreas por onde passa. Quando um desses canais apresenta estagnações  de energia (que é chamada de Qi pelos orientais), haverá manifestações de sintomas físicos e emocionais específicos. E mais: um problema físico pode desencadear uma emoção ou vice versa.

OS RINS E O MEDO
Sendo assim, o canal de energia dos rins relaciona-se à audição, percorre o corpo desde os pés, de baixo para cima, passando pela parte posterior dos joelhos, conectando internamente os rins com os ouvidos, sendo que a emoção que é regida por essa energia é a força de vontade, a vontade de viver a vida com objetividade e coragem. Na deficiência ou no desequilíbrio dessa energia, o medo e a consequente estagnação ocupam o lugar da coragem e da força de vontade.

Observe e analise a postura de uma pessoa tímida, envergonhada: deparamos com o encolhimento de sua cabeça como se fosse entrar entre os ombros, em direção ao peito, o fechamento do tórax, ao mesmo tempo em que os  joelhos se juntam,  apresentando a postura de pernas em X. Tudo isso demonstra introversão, traço marcante numa personalidade tímida e medrosa. Pois bem! Esse tipo de postura permite o surgimento de diversos tipos de patologias nos joelhos. Aqui temos a clara evidencia de como o estado de medo e timidez é capaz de afetar a postura de uma pessoa, causando desvios e desenvolvendo patologias.
Como foi dito, o trajeto do canal de energia dos Rins passa pela parte posterior dos joelhos. O posicionamento incorreto dos joelhos leva a uma interrupção do fluxo energético que pode causar as dores nessa região. 
Sendo assim, a partir da observação do trajeto do canal dos Rins, os mestres orientais alem de descobrirem que o efeito tóxico do medo impacta  no corpo, perceberam que isso pode ocorrer  em três lugares predominantemente: joelhos, região lombar e no par rins/bexiga. Nessas regiões a maioria dos sintomas provocados pelo medo e a timidez podem se manifestar. (clique para ver o post O Elemento Agua e a Dor nas Costas)



OS JOELHOS

Os joelhos simbolicamente representam o poder de nos posicionarmos diante das situações  da vida. Colocamos-nos a "altura de uma situação" quando temos força  de vontade para levantar e encarar a situação “de frente”. A estrutura e a capacidade de articulação do joelho é mantida pelos músculos e tendões que estão envolvidos no movimento de ficar em pé. O sentimento de segurança diante de uma situação  existe quando temos a sensação  de que os joelhos podem nos sustentar, garantir a  firmeza  das nossas pernas, gerando a percepção  de aterramento, como se estivéssemos plantados no chão.  É graças  à firmeza dos joelhos que podemos enfrentar nossos medos com desenvoltura. Muitos métodos de expressão corporal ensinam exercícios físicos com o objetivo de catalisar, no plano emocional,  o sentimento de firmeza e ancoragem com a terra, utilizando a técnica de aterramento. Esses exercícios promovem o aumento da percepção  de conexão das pernas com o solo. São  indicados para pessoas que sentem fraqueza nas pernas e dores nos joelhos e que podem apresentar instabilidade postural, levando-as a quedas devido à falta de equilíbrio. Veja nas ilustrações, exercícios que poder ser úteis.

A TERAPIA FLORAL
Dentro da terapia floral, vamos destacar duas essências que podem ajudar a superar essas dificuldades. Mimulus e Larch. 

MIMULUS E A CORAGEM 
A essência floral Mimulus é indicada tradicionalmente para as pessoas que apresentam traços emocionais de timidez, vergonha e medo por qualquer situação. Devido a sua sensibilidade, tendem a ficar inibidos em ambientes desconhecidos, sendo afetados por estados de tensão mental e medos exacerbados. São indivíduos que tendem a adoecer facilmente devido à forma como o medo impacta seu corpo físico. Um dos sintomas mais frequentes nesse tipo de pessoas é a dor nos joelhos. Essa essência floral ajuda a desenvolver a capacidade de enfrentar os medos e as inibições com mais coragem e desenvoltura. A pessoa passa a assumir uma postura mais altiva, ereta, (não encolhida pelo medo) contribuindo, consequentemente para o  alinhamento correto dos joelhos. Torna-se mais solta e flexível na sua forma de encarar as situações da vida, assim como as alegres flores amarelas de Mimulus conseguem driblar a correnteza das águas sem se quebrar, seguindo em frente, diante das emoções que a vida pode oferecer.





LARCH E A  AUTO REALIZAÇÃO

A essência floral Larch é indicada para pessoas que tendem a procrastinar por falta de confiança na sua própria capacidade. Acham que nunca estão prontas para se lançarem à fase de realização de seus projetos. Ao observarmos a planta, percebemos que durante a maior parte do ano as árvores do  Larch apresentam seus troncos caídos, “desanimados”, voltados para o chão, mostrando o seu estado de enfraquecimento, pois essas árvores são sensíveis ao sol excessivo, ao, frio e à seca. Somente na primavera, tempo dos novos começos, é que Larch se reanima com a luz do sol, mostrando todo seu viço e sua estrutura elegante, voltando seus galhos para o céu, “com vontade e segurança”. Isso ilustra perfeitamente a sensação de falta de firmeza da pessoa diante do medo: o medo da ação, da exposição, da possibilidade de errar, etc., que o impedem de caminhar, de por seu plano em ação. Essa essência ajuda o individuo a se manter firme e acreditar que pode iniciar seu empreendimento, confiando em seu potencial, atuando com autoconfiança, sem complexo de inferioridade. Observe as imagens da planta e usem sua sensibilidade para perceber esses aspectos relacionados a "estar à altura" de realizar seu propósito, à altura de sua auto realização.

até a próxima!

Se você quiser saber mais sobre como aprender sobre a Terapia Floral , clique aqui
Postar um comentário