terça-feira, 14 de março de 2017

Sabedoria Oriental e Filosofia Floral de Bach - uma visão a respeito do Homem


Antes mesmo das agulhas da acupuntura existirem, já existia a Sabedoria Oriental com a idéia de que no ato do nascimento, o Jing (energia ancestral, herdada) transforma-se em Qi (energia) para movimentar nosso organismo físico, dando vida ao nosso corpo (físico). Dessa forma nossa Mente (Shen) é iluminada e animada para garantir a condição de manter a Energia (Qi) em movimento, mantendo a integridade e a boa saúde do individuo. Jing (Essência), Qi, e Shen (Mente) são chamados de os “Três tesouros” (San Bao), e correspondem ao Céu (Mente-Shen), Pessoa (Qi) e Terra (Essência-Jing).

Ao observar o Shen de uma pessoa, sabemos se ela é saudável e feliz. Para observar o Shen, basta olhar no rosto da pessoa: ele estará sereno, saudável, com brilho e atenção naturais no olhar.
Quando a Energia (Qi) é capaz de fluir livre e constantemente, a Mente (Shen) é capaz de manter-se equilibrada. As experiências do cotidiano são vivenciadas e as várias emoções são percebidas com serenidade, os problemas são enfrentados com sabedoria e cada tropeço é encarado como oportunidade de aprendizado e crescimento. Tudo isso acontece de forma Natural, assim como todos os fenômenos da natureza.

Os antigos chineses tinham consciência dessa forma natural de ser e sabiam que, como seres da natureza que eram (como plantas e animais) deviam respeitar e respeitavam os ciclos do ambiente onde viviam, observando dia e noite, frio e calor, seco e molhado, adaptando-se a todas essas condições para preservar seu bem estar. Dessa forma, as agulhas não eram necessárias, pois eles não ficavam doentes. Mas condições de guerra se impuseram entre povos, a natureza deixou de ser respeitada. O fluxo da energia no corpo do homem passou a sofrer estagnações e desgaste, o Shen (Mente) não pode ser devidamente alimentado e assim não pode controlar devidamente as emoções. Assim se instalaram as doenças.

Então, os sábios chineses passaram a utilizar as agulhas para influenciar o fluxo da Energia (Qi) no corpo em busca do restabelecimento do autocontrole, curando ou evitando que as doenças se instalassem no corpo. Mas sempre se basearam nos ciclos da natureza que regem o fluxo de Energia (Qi) nos ambientes externo e interno dos seres naturais.

Volto a dizer que ao observar o Shen (Mente) de uma pessoa, sabemos se ela é saudável e feliz. “Você é feliz?”, perguntava Dr.Bach a cada paciente que o procurava. Ser feliz para ele significava ter boa saúde. A pessoa saudável é bela, porque é integra, vibra e tem luz.  Dr. Bach nos ensinou que um indivíduo inteiro (integro) é aquele cuja matéria (seu “eu material” ou “eu terreno”) é animada por uma energia chamada Alma, trazendo a vida, o movimento e o calor e que vem alimentada por uma energia mais sutil vinda do alto, trazendo a Luz e a Sabedoria que está estocada no Eu Superior de cada ser. Trata-se do nosso Eu Divino.


Nós, seres humanos, temos a missão de unir o céu e a terra. Assim, quando fazemos a conexão do eu terreno com o Eu Superior, estamos cumprindo nossa missão. Essa conexão é facilmente observada quando nos sentimos felizes, seguros, plenos. A Alma é a Energia (ou Qi) que faz essa conexão. 
Na prática: sei o que fazer, sei o que pensar e falar no momento certo com as palavras certas e tudo acontece de forma perfeita, tudo dá certo, flui, quando se está conectado com o Eu Superior
Entretanto a desconexão, ou seja, quando a energia da alma não consegue fluir e manter essa conexão com o Eu Superior, perdemos o potencial nato de sabedoria e poder divinos. Isso nos causa sofrimentos que, a princípio são emocionais, mas que acabam por se aprofundar no corpo físico até alterar o estado de saúde de nossas células, moléculas e elétrons, causando doenças, imperfeições, alterando o funcionamento do organismo. Ficamos fora da Perfeita Ordem Divina.

Dr. Bach dizia: “A doença nunca será curada nem erradicada pelos médicos materialistas dos tempos atuais, pelo simples fato de que em suas origens, ela não é material.” O Shen (Mente), então, mostrará que a saúde se foi e a doença se instalou. 


Mas, "a Doença em si... é única e puramente corretiva; nem vingativa nem cruel. É o meio adotado pelas nossas próprias almas para mostrar-nos os nossos erros...”  Assim explicou Dr.Bach, que a doença é um aviso, é a forma que nossa Alma tem de nos mostrar que estamos fora de prumo e de rumo. Avisa-nos, alerta-nos para que possamos retomar nossa conexão com o Eu Superior, restabelecendo nossa Luz, nossa saúde, iluminando o Shen (Mente) e devolvendo a alegria de viver.
Postar um comentário