sexta-feira, 30 de junho de 2017

SER CRIANÇA É PRECISO!


Você já pensou que o processo de adoecimento pode ter origem no seu jeito de ser criança?


A filosofia da Terapia Floral de Bach conduz ao entendimento de que a lembrança da criança que fomos nos faz entrar em contato com um estado de consciência elevado chamado Eu Superior. 


Pois bem, cada um de nós traz, na essência, as características que nos individualizam como seres racionais que somos. A criança, na integridade de seu ser, vive sua verdade, conectada ao seu Eu Superior. Sendo assim, cada qual tem sua predisposição emocional que a faz responder de forma individualizada diante de cada estimulo enfrentado no decorrer da vida.



O tempo pode passar, podemos aprender muitas coisas, podemos amadurecer e até envelhecer, mas ainda assim, nossa essência permanece a mesma, desde a infância. Por isso dizemos que temos, dentro de nós, a criança que sempre fomos e que nos possibilita retornar ao Eu Superior a todo momento. 

Entretanto, inocência e espontaneidade  são inerentes à fase infantil do ser, são características que vamos perdendo com o passar do tempo. À medida que cresce, a criança vai aprendendo a lidar com as situações, aprendendo com a vida, sofrendo interferências que ora se tornam lições de vida e a levam ao crescimento, à evolução, ora se tornam obstáculos que a fazem sofrer e estagnar, pois não encontra, na sua predisposição emocional, a estrutura adequada para lidar com certas formas de interferência. A inocência se vai e a espontaneidade deixa de ser um traço tão fácil e verdadeiro na tentativa de aliviar as dores causadas pelas dificuldades emocionais.
Por outro lado, nós costumamos dizer que “quando casar passa” fazendo alusão ao fato de que "o tempo cura todas as feridas". Mas isso nem sempre e verdadeiro. “Nossos cérebros são esculpidos por nossas experiencias da infância”...alguns traumas moldam o cérebro para o confronto com a adversidade as custas de feridas profundas e permanentes” diz Martin Teicher MD e PhD, professor da cadeira de psiquiatria em Harvard.

Por isso podemos afirmar que existe uma forte relação entre as vivências da infância e a saúde na vida adulta. O sofrimento da infância deixa rastros negativos e acabam causando estresses que atrapalham o desenvolvimento do indivíduo. Pode-se observar deficiências no sistema nervoso e imunológico gerando problemas de saúde que atingem mente e corpo, como por exemplo, doenças autoimunes, distúrbios alimentares que levam a obesidade ou anorexia, uso de drogas e álcool. Basta lembrar que um sofrimento prolongado dificulta a produção da serotonina que ajuda a produzir o sentimento de bem estar e isso dificulta a capacidade de se ter um bom relacionamento com o ambiente e pode derrubar a autoestima. 

Pois bem, Dr. Bach, em 1930, já conseguia avaliar e perceber que os processos de adoecimento estavam ligados a sofrimentos emocionais da infância. Na verdade, durante uma sessão de terapia, à medida que um paciente vai relatando seu sofrimento, em algum momento, a existência de uma experiência dolorosa vinda da infância é frequentemente revelada.

Os florais de Bach são conhecidos pela forma como transformam estados emocionais negativos para aliviar sofrimentos que se escondem por traz de dores e queixas físicas. (Aliás, são geralmente as queixas físicas que aproximam os pacientes dos terapeutas.)
Dr. Bach desenvolveu suas primeira 12 essências florais que chamou de curadoras para atender as pessoas o procuravam queixando-se de males do corpo, mas ele sabia que para que isso acontecesse, elas teriam que curar os males da alma. Para chegar à alma, ele buscou a essência do ser e o caminho foi pensar na infância. As essências curadoras equilibram o jeito de ser da pessoa, com o qual ela nasceu, aquele jeito que a caracteriza como individuo, conectado ao seu Eu Superior que o direciona durante sua passagem por esta vida como um eu terreno.

Dessa forma o terapeuta floral consegue avaliar e auxiliar o paciente a buscar mais fundo, no amago de seu ser, ou seja, na sua criança interior, a verdadeira causa para sua doença. Por exemplo, podemos pensar em momentos significativos como a perda de um ente querido, a perda do contato com um determinado lugar onde a criança tenha sido muito feliz, a mudança de bairro, de escola e etc. Diante dessa constatação são indicadas essências florais que tem como foco, atuar nos mecanismos de transformações emocionais desse período de vida. 

Assim, em seus escritos filosóficos Bach recomenda que se faça um esforço para relembrar os sentimentos que governavam a vida infantil. Ou que se pense em aspectos emocionais positivos que a pessoa consiga lembrar em si mesma e que lhe outrora lhe trouxeram a felicidade que  faz falta em sua vida atual. Desta forma, a pessoa consegue identificar aptidões, gostos e intolerâncias que podem lhe servir de direcionamento para o encontro de si mesma.

É neste ponto que o conhecimento das 12 essências florais curadoras podem fazer a diferença. Elas nos auxiliam a relembrar que experiencias de vida podem nos trazer de volta sentimentos e estados de consciência que deixamos de lado ao longo da nossa existência.

Elas nos conduzem a um auto-olhar mais profundo e nos permitem entrar em contato com a poesia da vida que é revelada pela graça do contato com o Eu Superior que a criança interior pode nos revelar. 

Sejamos a alegria e a presença de Ser. Recebamos o tempo presente como um presente. Sorrir, rir, brincar, imaginar, sonhar, contemplar, admirar, pintar, colorir, aprender sempre! Amar a vida! Se você quer sentir tudo isso novamente, vivencie como uma criança, brinque com e como uma criança. Lembre-se: Ser criança sempre é preciso!!!





Até a próxima!


Postar um comentário